SUSANE VIDAL


Jornalista, escritora, professora universitária e mestre de cerimônia.

16
jun
2014

Os segredos da Loba

2 Comentários

Para comemorar a chegada dos meus 40 anos, lembrei-me desse texto escrito pelo saudoso jornalista Cleomar Brandi, que tive a honra de conhecer e de ler antes mesmo de sua publicação. De imediato, falei para ele que havia amado o texto e que esperava chegar à idade da loba com um pouco do reflexo de "Os segredos da Loba".

“Estou na fase da loba, me sinto plena de mim”. Como um cochicho, a frase chegou aos meus ouvidos, quase um sussurro entre um uísque e outro, na festa de aniversário de um amigo, numa dessas noites. Conversávamos, algumas pessoas na mesa e a noite ia adiantada. Na hora em que a frase visitou a esquina da minha orelha foi como o estalo de um chicote determinado, um certo calor na voz mas, em seu bojo, havia a segurança de uma mulher que sentia a necessidade de falar aquela frase, como um anúncio de que havia perigo no ar, que o frisson que visitara meu cangote era gerado de uma fonte onde havia turbilhões de energia vulcânica em suspensão, lavas magmáticas de paixões incandescentes que podiam aflorar num piscar de olhos.

Com um giro lento de cabeça, ousei encarar a face da loba que resolvera chegar ao começo da madrugada uivando baixo e trazendo-me uma certa perplexidade gerada por aquela voz quente, rasgo de noturno verão, cheiro de doce perigo no ar.

A mulher, quando é resolvida, fruta maturada, sabe ter a esperteza da loba e sabe sobreviver sem matilha. Amiga da lua, prima do sol, conhece cada segredo dos lugares por onde anda; deixa seu cheiro, seu almíscar em cada pele visitada, como antiga tatuagem ou cicatriz de velhas batalhas. A idade da loba dá, à mulher, a certeza da aura que clareia os caminhos eleitos por ela, apenas por ela. Aos machos mais frágeis, desacostumados a enfrentar a altivez sensual da mulher-loba, resta o medo, a fuga, como acontece com muitos, ainda não temperados nos mistérios dos sortilégios que envolvem essa raça de pêlo brilhante, farto, eriçado ao mínimo toque na hora do encontro selvagem.

A mulher-loba conhece o poder de suas garras, o laivo de sangue dos seus olhos determinados.Para ela, não há mistérios no amor nem discussões existenciais no silêncio morno do quarto amanhecido com jeito de ter enfrentado o fragor de um doce embate. Ela sabe os caminhos traçados em sua bússola.

A mulher-loba guarda seus uivos para os momentos mais profanos, quando eriça o pêlo e se encharca de vinho, te olha e ensaia um tango com, um jeito de quem conhece velhos segredos de bandoneons platinos. Segura de si, é capaz de eleger em seu guarda-roupa um vestido vermelho quando o tom da moda é a cor clara e sair por aí, requebrando as ancas fartas apenas para provocar um frevo doido nos olhos dos homens que passam. A mulher-loba é colombina, cigana e tem nos ombros a pele trigueira das mulheres da Andaluzia.

A mulher-loba sabe delimitar como ninguém os espaços da sua área de caça. Ela é a guerreira, a que atiça a caça e conhece como ninguém os perigosos caminhos da jugular.

Como uma fruta madura, a mulher-loba conhece o momento da plenitude da sua estação. Mas a colheita, é ela quem determina, guardiã zelosa da seiva que escorre das suas raízes.

Cleomar Brandi

2 Comentários

Renata Lima em 16 de junho de 2014 20:29 disse:

Que texto perfeito.E o reflexo? rss
Parabéns, pelos 4.0 potência!!!rsrs
pela pessoa e profissional que és,por isso tem minha admiração…sempre.
Saúde,amor,paz,felicidades,sucesso…estejam sempre presente em sua vida,que Deus continue te guiando,protegendo iluminando sua caminhada,te fazendo a pessoa forte,inteligente…que és!!!
Parabéns pelo seu dia rs…
FELIZ ANIVERSÁRIO!!!!!
Abraços!!

Juliana Marques em 24 de junho de 2014 18:13 disse:

Desfrutei da data um pouco antes que você!E como as borboletas…cada fase é maravilhosa, mas os 40 tem um sabor diferente!
Que sua vida seja de grandes realizações com a benção de Deus nosso Pai maior!
Forte abraço.

Deixe seu comentário


Política de moderação de comentários:

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.