SUSANE VIDAL


Jornalista, escritora, professora universitária e mestre de cerimônia.

26
maio
2013

Música liberta

6 Comentários

image

O que você faz quando está triste? Chora, se isola, cala ou reflete? E quando está com raiva? Grita, bate, xinga, "espuma" ou espera? Talvez as duas últimas alternativas para as duas situações sejam as mais inteligentes. Talvez!


20
maio
2013

Olhar noturno

7 Comentários

Quando chego em casa à noite, depois do trabalho, vejo o quanto valeu a pena ter ido para, ao voltar, saborear momentos de completo encontro íntimo comigo mesma, sem máscaras, sorrisos forçados, gentilezas gratuitas.

É sempre bom ter um lugar para voltar, um porto seguro. Ainda que o lugar para onde você retorna não seja completamente seu, faça-o ser, tome posse. Mesmo que em pensamento. Atreva-se, experimente e experimente-se.


16
maio
2013

Só com a boca

2 Comentários

Compartilho com vocês um vídeo que mostra esse grupo de cinco músicos talentosos que formam a banda Pentatonix. Direto de Arlington, Texas (EUA), eles nem precisam de instrumentos, exceto a boca. São bem criativos, rápidos, sincronizados!!!


12
maio
2013

Amor de mãe

4 Comentários

image

Especialmente hoje é um dia para aproveitar, reconhecer e recordar todo o carinho e amor que nossas mães demonstram ou já demonstraram por nós. E que amor, hein? Incondicional!!!!

Mesmo quando não somos do jeito que elas sonharam enquanto estávamos em seu ventre, o amor dedicado e de forma gratuita é capaz de anular qualquer decepção ou desconforto ao perceber como também somos capazes de crescer ainda que distantes da proteção materna.


09
maio
2013

De Lana para Aisha

2 Comentários

A canção é linda e na voz de Lana Del Rey fica um primor. Curiosamente, a letra pouco tem a ver com a personagem Aisha, da novela das 21h da Rede Globo. Exceto em alguns trechos, apesar de que o clip sugere uma relação um pouco esquisita com o pai, o que na ficção não ocorre.


02
maio
2013

Tributo ao trabalho

3 Comentários

images-6

Vamos refletir sobre uma característica muito comum entre os próprios trabalhadores: renegar o trabalho que têm. Reclamar de tudo, de todos, da vida, da segunda-feira, da terça, quarta, quinta, sexta, sábado e domingo e ainda distinguir o porquê do desgosto em cada dia da semana não, não é um hábito saudável. Mas, claro, você já deve ter topado com alguém com tais características.