SUSANE VIDAL


Jornalista, escritora, professora universitária e mestre de cerimônia.

27
fev
2013

Que tal doar?

2 Comentários

Esse é o tipo de mídia que nos faz refletir. Ser solidário vai muito mais além do que apoiar causas nobres. Mexe, inquieta, comove. Esse tipo de iniciativa é inteligente e certeira. Já pensou se você tirasse esse ticket na padaria, banco ou supermercado?


26
fev
2013

Human Planet

3 Comentários

Como é belo nosso planeta. As paisagens são realmente encantadoras, porém nada teria efeito se não fosse o humano para fazer a diferença. Nesse e tantos outros aspectos, Deus, nosso criador, é perfeito!!!


24
fev
2013

Vagarosamente lento

5 Comentários

Vamos combinar... ser ágil, prático e eficiente, nessa ordem ou com esses atributos não é para todo mundo. Muitas vezes, o eficiente precisa de muito tempo para tornar esta habilidade visível. Em muitos casos, nos deparamos com pessoas que são rápidas no cumprimento de tarefas e compromissos, mas essa tal agilidade implica no resultado e deixa a desejar no quesito eficácia.

Somos seres humanos e, como tais, compartilhamos um poço de diferenças e são nessas diferenças, que encontramos a beleza da diversidade. Porém, o senso de compreensão perde a graça quando a gente precisa que o outro entre no ritmo, pegue no "tranco", mostre a que veio, demonstre agilidade. Como disse Cazuza e ainda ecoa nos dias de hoje... "O tempo não pára".

Definitivamente, cada um tem um ritmo e muitos não estão nem um pouco preocupados em mudar essa realidade. Contudo, diante das novas tecnologias de informação, há que se permitir observar quando, como e onde deve-se ousar e intuir que é hora de mudar. Não, não me refiro às mudanças estratosféricas, mas as coisas simples, como aprender a usar o computador devidamente para facilitar e, principalmente, agilizar o trabalho.


20
fev
2013

Homem robô

4 Comentários

Passos ensaiados, cronometrados ou melhor, digitalizados. Será uma máquina, um robô, um asteróide? Ao ver o vídeo fica difícil acreditar que é apenas um homem que domina a dança de rua como poucos.

Não é corpo de borracha porque precisa de muita maleabilidade para os contorcionismos vistos dos pés à cabeça.