SUSANE VIDAL


Jornalista, escritora, professora universitária e mestre de cerimônia.

27
abr
2011

O espetáculo da chuva!

10 Comentários

Quem já parou para observar a chuva deve ter percebido como ela é encantadora... Chega e traz sensações, seja de limpeza, varredura, recomeço, não importa. Mas, naturalmente, remete-nos a um lugar onde desejamos aconchego. E se estamos apaixonados, então, dificilmente não desejamos compartilhar o mesmo instante.

A chuva também nos deixa uma lição a ser observada com profundidade... Há momentos em nossas vidas em que precisamos de uma enxurrada, de uma boa sacudida, de levantar poeira, restaurar, alterar, modificar, reestruturar... É o que a chuva também simboliza. Ela cai e segue em direções diversas até se dissipar. Um efeito que facilmente nos põe a refletir nas tantas coisas que temos que deixar passar.

A chuva, em sua essência, pode representar água, choro, lágrimas. Independentemente da causa, o efeito sempre alivia a alma, renova, rejuvenesce. Faz bem ao nosso organismo e é imprescindível em muitas situações de nossas vidas. Pense nisso...


10
abr
2011

A força de um olhar!

10 Comentários

Em um dia comum durante a semana, num simples feriado, a convite de amigos, você sai de casa para um almoço de confraternização. Não sabe ainda, mas ali naquele local, vai encontrar o grande amor de sua vida. O que há muito esperava por isso...

Você chega, meio sem jeito e um pouco deslocado, típico de uma timidez pouco conhecida, é apresentado a algumas pessoas. Depois de alguns minutos de conversa sobre variados assuntos, logo percebe que está diante de uma companhia agradável (dessas que a gente não quer largar mais). A mesa cheia, opiniões diferentes, risos, olhares, música tocando e a sensação de que o tempo havia parado ali naquele instante.

Impressiona o quanto nos comunicamos sem palavras, apenas com gestos, atitudes, olhares... ah esses olhares são provocativos e estimulantes. O olhar possui uma força sem igual, nos desmonta, nos inquieta, nos sacode, enche de vigor, de uma alegria quase incontrolável. Difícil disfarçar e a pergunta é.... disfarçar para quê? Por quê?